Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Monthly Archives: junho 2015

ISABEL SANTANA DOS SANTOS FILHA PROCURA PARENTES:

Share Button

Estou procurando meus parentes sou isabel santana dos santos filha de josefa de santana dos santos e pedro cardoso DOS SANTOS e irmão de florentino cardoso dos santos e Roque cardoso dos santos

Plenário da Câmara discutiu PEC da maioridade por cerca de 3 horas

Share Button

Deputados discutem proposta que permite a pena de prisão para jovens entre 16 e 18 anos que cometem crimes graves – assassinatos, estupros, entre outros.

Últimas notícias

PLANTÃO POLICIAL PETO-79 CIPM PRENDE DUAS DE MENOR COM 50 KL DE MACONHA NA RODOVIÁRIA DE POÇÕES BA

Share Button

 

[POÇOES24HS]

[APREENSÃO DE DROGAS[MACONHA] FEITA PELO PETO APÓS DENÚNCIA ANÔNIMA DE QUE HAVIA DUAS MULHERES COM 2 MALAS EM ATITUDE SUSPEITA FOI FEITA A ABORDAGEM E FOI ENCONTRADA 45 KL DE MACONHA  A ABORDAGEM FOI FEITA EM UM ÔNIBUS QUE SAIU DE CONQUISTA COM DESTINO Á JEQUIÉ

[POÇOES24HS]

[POÇOES24HS]

[POÇOES24HS]

[POÇOES24HS]

Polícia Federal busca 50 suspeitos de praticar pornografia infantil na internet

Share Button

A Polícia Federal fez hoje (30) uma ação em 14 estados para tentar coibir a pornografia infantil pela internet. A operação Moikano busca cumprir 81 mandados judiciais, 50 de busca e apreensão e 31 de prisão preventiva, em 13 estados e no Distrito Federal.

Suspeitos de praticar crime de divulgação pornográfica na internet estão sendo procurados no Amazonas, São Paulo, Acre, na Bahia, no Ceará, em Minas Gerais, Pernambuco, no Pará, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e no Distrito Federal. Além dos 50 suspeitos no território nacional, há 70 em outros países.

O nome da operação faz referência ao apelido usado na rede mundial de computadores por um dos usuários da rede de pedofilia investigada. De acordo com a PF, o suspeito, identificado como Moikano, era um dos responsáveis pelo compartilhamento do material em grupos na internet. Após cumprimento de mandado de busca domiciliar, a polícia identificou os contatos do investigado e descobriu a rede internacional.

Segundo a Polícia Federal, o homem mantinha página em rede social com filmagens e fotografias de conteúdo pedófilo. O material compartilhado contém fotos e vídeos de abuso sexual de adolescentes e, principalmente, de crianças. Segundo as investigações, o grupo ainda trocava orientações na internet sobre como abordar e conquistar a confiança das crianças. Durante as investigações um suspeito chegou a ser preso antes de cometer o abuso sexual.

Os suspeitos poderão ser indiciados pelo crime contido no Estatuto da Criança e do Adolescente (Artigo 241-B da Lei 8.069/90) por possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente. A pena pode chegar a 6 anos de reclusão.

Delegacia de Proteção à Pessoa

Share Button

Votação da PEC da Maioridade Penal reúne manifestantes em frente ao Congresso

Share Button

Antes da votação da proposta que reduz a maioridade penal, o gramado em frente ao Congresso Nacional foi ocupado por cerca de 500 pessoas, a maioria contrária ao projeto que reduz de 18 para 16 anos a idade penal para crimes hediondos, homicídio e roubo qualificado.

Diversas entidades, como centrais sindicais e movimentos estudantis, protestam pacificamente contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171/93. Outro grupo, menor, apoia a medida e, para chamar a atenção, fixou cruzes no gramado para simbolizar as vítimas de crimes praticados por adolescentes.Os dois movimentos protestam sem entrar em confronto.

O esquema de segurança do Congresso foi reforçado e os manifestantes são impedidos de chegar perto do espelho d’água.

Os manifestantes contrários à redução da maioridade penal demonstram sua insatisfação com o uso de faixas com expressões como “Menos cadeias, mais escolas”, “Redução não é a solução” e “Estudantes contra a redução”.

Cruzes espalhadas na Esplanada dos Ministérios: protesto a favor da redução da maioridade penal
Cruzes espalhadas na Esplanada dos Ministérios: protesto a favor da redução da maioridade penal

Samuel de Oliveira, 18 anos, da União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes), veio de São Paulo (SP) com um grupo contrário à proposta. “Queremos mostrar para os deputados que é preciso criar mais perspectivas para a juventude, com emprego e cultura, em vez de diminuir a maioridade penal”, disse. Ele faz parte de um grupo que montou acampamento, com cerca de cem barracas, a cerca de 200 metros do espelho d’água do Congresso. Segundo ele, outros mil estudantes são aguardados até o início da noite.

Mas não apenas estudantes protestam contra a proposta de reduzir a maioridade penal. Iran Magalhães, conselheiro tutelar do bairro de Águas Claras, no Distrito Federal, também critica a emenda constitucional. “Reduzir a maioridade não vai reduzir o problema da violência. O que nós, conselheiros tutelares em Brasília defendemos é investimento em educação integral de qualidade”, disse.

A 50 metros do acampamento e dos carros de som dos manifestantes, um outro grupo, silencioso, faz vigília em meio a cruzes fincadas no gramado. Juraci de Osti, funcionária pública de 51 anos, enfrenta o sol forte para defender a redução da maioridade penal. Ela usa uma camisa com a foto de um jovem e os dizeres “Movimento Thiago Vivo”.

“Meu filho foi assassinado na minha frente por bandidos que muita gente chama de meninos”, explica, acompanhada por outras pessoas com histórias semelhantes.

Iraci conta que o filho Thiago de Osti Cardoso Lopes, 28 anos, foi assassinado em outubro do ano passado em frente à casa da família, no bairro da Mooca, em São Paulo (SP). “Nós chegamos de uma degustação e ele foi rendido dentro do carro enquanto eu fechava a garagem. Ele não reagiu e os bandidos atiraram nele na minha frente”, disse.

Iraci defende a redução da maioridade penal como forma de diminuir a impunidade e reduzir a violência praticada por adolescentes.

Outro defensor da proposta é o motorista Vanderlei Bufarah, 54 anos, morador de Paracatu (MG), que propõe medida ainda mais radical. “Eu sou a favor da redução da maioridade penal para 13 anos”, disse, empunhando um cartaz com uma lista de reivindicações que inclui até o impeachment da presidente Dilma Roussef.

A proposta que reduz a maioridade penal pode ser votada no Plenário da Câmara nesta tarde.

POLICIA VOANDO FUZILA BANDIDO AO VIVO .

Share Button

POR MOTIVO DE FORÇA MAIOR NÃO ESTAREI POSTANDO NADA POR UNS DIAS.ASS.ADRIANO CRUZ

Share Button
ADRIANO CRUZ

ADRIANO CRUZ

TRF libera venda do Bahia dá Sorte após meses de proibição

Share Button

TRF libera venda do Bahia dá Sorte após meses de proibição

Foto: Reprodução
Uma decisão da primeira turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) liberou a venda de títulos de capitalização do Bahia dá Sorte no estado. De acordo com o A Tarde, a proibição da comercialização do produto estava em vigor desde novembro do ano passado. A suspensão, determinada pela 4ª Vara Federal de Pernambuco (PE), valia para todos os estados onde o grupo Promobem, responsável pela venda de diversos títulos de capitalização, entre eles o Bahia dá Sorte, atuasse. A empresa foi investigada pela Polícia Federal por supostas irregularidades em sua gestão. Em novembro do ano passado, quatro pessoas chegaram a ser presas pela Polícia Federal durante a Operação Trevo por provável ligação com o Bahia dá Sorte. Em nota, o TRF5 informou que acolheu um parecer do Ministério Público Federal (MPF), que indicou que o retorno das atividades da empresa fosse liberado. Por meio de pronunciamento em seu site, o Bahia dá Sorte afirmou ter “a satisfação de comunicar a toda a sociedade, clientes, fornecedores, colaboradores e amigos que o TRF5 decidiu pela liberação do retorno das atividades das empresas do grupo”.

Em assembleia, professores da UFBA

Share Button

 

Os professores da Universidade Federal da Bahia (UFBA) rejeitaram a proposta de reajuste feita pelo governo, na semana passada, e decidiram manter a greve, iniciada há um mês, em assembleia realizada na tarde desta segunda-feira (29).

Escola Politécnica UFBA (Foto: Divulgação/UFBA)Greve dos professores da UFBA completou um mês
no domingo (28). (Foto: Divulgação/UFBA)

O encontro ocorreu no auditório da Faculdade de Arquitetura, no bairro da Federação, e contou com a presença de 137 professores. Todos aprovaram a continuidade da paralisação. A informação foi divulgada pela assessoria de comunicação da Sindicato dos Professores das Instituições Federais do Ensino Superior da Bahia.

Na quinta-feira (25), o governo apresentoiu uma proposta de reajuste de 21,3% dividido em quatro parcelas. A primeira delas, de 5,5%, para 1° de janeiro de 2016; a segunda, de 5%, para 1° de janeiro de 2017; a terceira, de 4, 75%, para 1° de janeiro de 2018 e a quarta, de 4,5%, para 1° de janeiro de 2019.

Os docentes, no entanto, consideraram a proposta do governo “muito abaixo da expectativa” e disseram que ela não é capaz de recuperar as perdas inflacionárias. Os professores também querem o fim dos cortes nos orçamentos das universidades.

Desde janeiro desse ano, a Ufba enfrenta contingenciamento mensal no orçamento que chega a 40%, além de contar com um déficit de R$ 28 milhões relacionado a débitos de 2014. Uma nova assembleia foi marcada para o dia 9 de julho.

Em nota divulgada nesta segunda, a reitoria da UFBA informou que reconhece a legitimidade do movimento de docentes e trabalhadores técnico-administrativos, que também estão com as atividades paralisadas, e que se mantém aberta ao diálogo com as categorias e com o Ministério da Educação (MEC).

Estudantes da instituição também decretaram greve. De acordo com a coordenadora-geral do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Ufba, a estudante de direito Lorena Pacheco, a mobilização dos alunos é em apoio aos professores e devido ao impacto causado pelo ajuste fiscal implementado pelo governo federal.

A Universidade Federal da Bahia conta com 35 mil alunos distribuídos em 100 cursos de graduação. A última paralisação dos professores da instituição foi em 2012. Além da UFBA, outras universidades do Brasil aderiram ao movimento e estão com as atividades paralisadas