Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Daily Archives: 26/10/2016

HOJE DIA 26/10/16 POR VOLTA DA 14:3O OUVE UM ENCAPOTAMENTO NA BA262 UMA DAS VITIMAS VEIO A ÓBITO POR VOLTA DAS 20 HORAS DE HOJE

Share Button
[FOTO ENVIADA PARA O ZAP POÇÕES24HS]

[FOTO ENVIADA PARA O ZAP POÇÕES24HS]

O ACIDENTE ACONTECEU SENTIDO MORRINHOS A POÇÕES SEGUNDO PRIMEIRAS INFORMAÇÕES TINHA UM CARRO CARAVAM NA PISTA TIRANDO CAPIM QUANDO O VEICULO PASSOU TENTOU DESVIAR DA CARAVAM E ENCAPOTOU FOI LEVADA 5 VITIMAS PARA A UPA E INFELIZMENTE UMA DAS VITIMAS ANDREIA MUNIZ VEIO A ÓBITO OS OUTROS 4 ACIDENTADOS TIVERAM FERIMENTOS LEVES[FOTO DE[ ANDREIA MUNIZ]
[FOTO ENVIADA PARA O ZAP POÇÕES24HS]

[FOTO ENVIADA PARA O ZAP POÇÕES24HS]

DR OTTO É INOCENTADO MAIS UMA VEZ PELA JUSTIÇA ELEITORAL

Share Button

Resultado de imagem para TRE BAHIAAno 2016, Número 210 Salvador-BA, quinta-feira, 27 de outubro de 2016 Página 23 Diário da Justiça Eleitoral – Tribunal Regional Eleitoral da Bahia. Documento assinado digitalmente conforme MP n. 2.200-2/2001 de 24.8.2001, que institui a Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil, podendo ser acessado no endereço eletrônico http://www.tse.gov.br SENTENÇA A COLIGAÇÃO “POÇÕES VOLTARÁ A SORRIR”,ajuizou a presente Ação de Investigação Judicial Eleitoral, cumulada com pedido liminar, em face dos candidatos a Prefeito e Vice-Prefeito de Poções, Otto Wagner de Magalhães e João Bonfim Cardoso Cerqueira, respectivamente, e a COLIGAÇÃO “POR UMA POÇÕES CADA VEZ MELHOR”. Aduz, em síntese, que os investigados vêm se utilizando da máquina estatal para angariar votos, por meio do emprego das cores oficiais do Município de Poções azul, vermelho e branco no material da campanha eleitoral. Salienta que a Emenda à Lei Orgânica do Município de Poções nº 001/2013, editada na gestão dos investigados, considerou como oficiais as referidas cores, as quais são utilizadas em todos os prédios públicos municipais, assim como praças, sitio eletrônico oficial e inclusive os táxis, criando uma verdadeira identidade governamental. Verbera que a utilização pelos investigados das cores oficiais do município em todo o material de campanha eleitoral, cria nos eleitores uma imagem e sensação de identidade com a máquina administrativa, constituindo tal conduta abuso do poder político, malferindo os princípios da moralidade administrativa e da impessoalidade, além de interferir no equilíbrio do pleito eleitoral. Pede liminarmente a suspensão e retirada de todos os meios de publicidade e propaganda, bem como de todo o material de campanha eleitoral dos representados que contenham layout com as cores azul, vermelha e branca (especialmente combinadas). No mérito, requer a cassação dos registros das candidaturas e consequente proibição da diplomação dos investigados, caso eleitos no próximo pleito, além de declaração da inelegibilidade, tudo nos termos do artigo 22, inciso XIV, da LC 64/90. Juntou os documentos de fls. 17/18. A decisão de fls. 24/26 indeferiu o pedido liminar. Regularmente citados, os representados ofertaram a contestação e documentos de fls. 32/40. Rebate os argumentos da inicial e pede a improcedência do pedido. O Ministério Público Eleitoral ofertou o parecer de fls. 43/46, pela improcedência do pedido. Assevera que, embora a Constituição Federal e a Lei 9.504/97 impeçam a utilização de nomes, símbolos e imagens de órgãos públicos em benefício de candidatos, a utilização das cores da campanha não se enquadra naquela proibição, cuja interpretação deve ser restritiva, consoante entendimento jurisprudencial. É o relatório. Decido. Analisando os fatos e fundamentos jurídicos trazidos aos autos, acertado o parecer ministerial no sentido de que as cores oficiais de ente público não se caracterizam como símbolo, inaplicável, portanto a regra proibitiva constante no artigo 40, da Lei 9.504/97. Nesse sentido, os julgados apontados pela i. Promotora de Justiça, aos quais, permissa venia, faço referência. Além do mais, conforme pontuado na decisão liminar, embora haja uma similitude das cores utilizadas no material de campanha dos investigados com aquelas adotadas oficialmente pelo Município, conforme previsão na Lei Orgânica juntada aos autos, outras cores foram também utilizadas, a exemplo do amarelo, além de diversas combinações de cores, descaracterizando a pretensão dos requerentes. Posto isso, julgo improcedente o pedido, julgando extinto o feito com resolução do mérito. P.R.I. Após o trânsito em julgado, arquivem-se os autos. Poções/BA, 21 de outubro de 2016. Álerson do Carmo Mendonça Juiz Eleitoral

Grupo intercepta e explode carro-forte na BR 116, na Bahia Crime ocorreu na tarde desta quarta-feira (26) perto de Quinjingue. Assaltantes explodiram cofre e fugiram com espingardas dos seguranças.

Share Button
Carro-forte foi explodido em rodovia na Bahia (Foto: Gil Santos/Site Noticias de Santaluz)Carro-forte foi explodido em rodovia na Bahia (Foto: Gil Santos/Site Noticias de Santaluz)

Um grupo armado interceptou e explodiu um carro-forte na BR-116, entre os municípios de Tucano e Euclides da Cunha, na região nordeste da Bahia. O crime ocorreu por volta das 14h desta quarta-feira (26).

Segundo informações da Polícia Militar, policiais do 5º Batalhão da Polícia Militar foram acionados após denúncia de que homens em dois veículos haviam explodido o carro forte na via, em um trecho próximo ao município de Quijingue.

No local, conforme a PM, os seguranças da empresa informaram que após interceptar o carro-forte, os  assaltantes utilizaram explosivos para abrir o cofre e roubaram três espingardas de calibre 12. A polícia não soube informar se alguma quantia em dinheiro foi levada.

Ninguém ficou ferido. Guarnições da PM fizeram buscas na localidade para tentar localizar os suispeitos, mas ninguém foi preso. A ocorrência foi registrada 25ª delegacia da cidade.

Carro-forte foi explodido em rodovia na Bahia (Foto: Site Noticias de Santaluz)Carro-forte foi explodido em rodovia na Bahia (Foto: Site Noticias de Santaluz)
Carro-forte foi explodido em rodovia na Bahia (Foto: Site Noticias de Santaluz)Carro-forte foi explodido em rodovia na Bahia (Foto: Site Noticias de Santaluz)

STF acaba com a mamata de ex-governadores e extingue pensão vitalícia

Share Button

A decisão liminar contra pensões vitalícias a ex-governadores do Pará concedida no ultimo dia 9, quinta-feira, abre precedentes para que outros estados também extingam as mamatas em forma de pensões vitalícias pagas pelo contribuinte a ex-governadores.

A decisão foi tomada no julgamento cautelar da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4552, impetrada pela OAB e teve como relatora a ministra Carmem Lúcia, vice-presidente do Supremo, que decidiu por suspender dispositivo da Constituição Estadual do Pará que concedia pensão vitalícia a seus ex-governadores.

A maioria absoluta do STF seguiu o voto da relatora, entendendo que não há justificativa plausível para concessão de pensões vitalícias a ex-governadores no valor equivalente aos vencimentos de desembargadores, configurando tratamento privilegiado injustificável.

Outras ações também impetradas pela OAB contra pensões concedidas a ex-governadores de outros estados estão em curso do STF e, com o precedente desta decisão tendem a serem deferidos em favor da abolição destas pensões.

Cármen Lúcia marca para 3 de novembro julgamento que pode ameaçar cargo de Renan

Share Button
Cármen Lúcia marca para 3 de novembro julgamento que pode ameaçar cargo de RenanFoto: Jane de Araújo / Agência Senado
A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, marcou para a quinta-feira 3 de novembro o julgamento de uma ação que pode ameaçar o cargo do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Os dois entraram em rota de colisão após as declarações de Renan contra uma operação de busca e apreensão na sede da Polícia Legislativa no Congresso Nacional na sexta-feira (21). Na data prevista, o plenário do STF analisará uma arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) apresentada pelo partido Rede Sustentabilidade, segundo o qual o presidente da República não pode, no exercício das suas funções, responder a ações penais por crimes comuns. A ação foi ajuizada pelo partido em maio deste ano, quando o então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), estava na linha sucessória da Presidência da República e já era réu em ação penal perante o STF. Naquele mês, o STF decidiu por unanimidade suspender o mandato e afastar Cunha da presidência da Câmara. À época, o ministro Teori Zavascki afirmou que Cunha “não se qualifica” para assumir eventualmente a Presidência da República, por ser réu de ação penal. Renan é alvo de ao menos 11 inquéritos que tramitam no STF. No dia 4 de outubro, o ministro do STF Edson Fachin liberou para julgamento uma denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente do Senado. Na denúncia oferecida ao STF, a PGR considerou que Renan recebeu propina pela construtora Mendes Júnior para apresentar emendas que beneficiariam a empreiteira. Em troca, o peemedebista teria as despesas pessoais da jornalista Monica Veloso, com quem mantinha relacionamento extraconjugal, pagas pela empresa. A data da análise da denúncia pelo plenário do STF também será definida pela ministra Cármen Lúcia, que é responsável por definir a pauta de julgamento de cada sessão. Caso o plenário do STF aceite a denúncia da PGR, Renan Calheiros se tornará réu e responderá a uma ação penal por peculato, falsidade ideológica e uso de documento falso. Na ação proposta pelo Rede Sustentabilidade, o STF definirá se é viável que parlamentar que responde a processo criminal perante a Corte ocupe cargo que, por especial designação constitucional, lhe confere a atribuição de ser substituto eventual do Presidente da República – o que é o caso de Renan Calheiros, que assumiria o Palácio do Planalto, que está na linha sucessória de Michel Temer depois do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Para a Rede Sustentabilidade, o exercício da Presidência é incompatível com a condição de réu. “A permanência do Presidente da Câmara dos Deputados em situação incompatível com a ordem constitucional caracteriza inequívoca violação aos referidos preceitos fundamentais. E ainda existe o risco real e concreto de que o mesmo fenômeno venha a ocorrer com o Presidente do Senado Federal, caso o STF admita denúncia já formulada ou que venha a ser formulada nos inquéritos em tramitação contra S. Exa., e não haja o seu imediato afastamento da função ocupada”, diz a peça da Rede Sustentabilidade. Para o partido, se alguém não se encontra apto a exercer tais funções em plenitude, “é essa pessoa que deve deixar o cargo, e não o cargo e a Casa Legislativa que devem perder uma das suas atribuições constitucionais mais relevantes”. A Rede Sustentabilidade argumenta que o afastamento do presidente por força do recebimento de denúncia criminal “não equivale à imposição de uma sanção, mas ao reconhecimento de impedimento temporário para o exercício de cargo particularmente elevado e diferenciado”

‘Dedo-duro’: Papagaio denuncia traição e provoca fim de casamento

Share Button
‘Dedo-duro’: Papagaio denuncia traição e provoca fim de casamentoFoto: Pixabay
Um papagaio acabou com um casamento e quase levou um homem para a cadeia no Estado do Golfo, no Kuwait. O animal foi responsável por trazer à tona para a esposa dele uma suposta traição. De acordo com o Al Shahed Daily, o papagaio começou a repetir frases “de flerte” na frente da mulher, que estranhou o conteúdo por nunca ter ouvido na parecido. Depois, quando o pássaro passou a repetir o que tinha ouvido, ela levou o animal como prova para a polícia. O adultério é considerado ilegal no Estado Golfo e pode levar à prisão. As autoridades, entretanto, argumentaram que as frases emuladas pelo papagaio não poderiam ser usadas como prova, já que ele também poderia ter ouvido a conversa íntima na TV ou no rádio. Com isso, o caso não avançou na Justiça. Não é a primeira vez que um pássaro “falastrão” provoca situação semelhante. Em 2006, um pássaro desta mesma espécie teria revelado o caso de uma mulher com um colega de trabalho, gritando “eu te amo Gary” na frente de seu namorado – cujo nome era Chris.

A pedido do MPF, Justiça concede liminar que impede cessão ilegal de R$ 15 milhões em Queimadas (BA)

Share Button
[POÇOES24HS]

[POÇOES24HS]

O prefeito, Tarcísio de Oliveira Pedreira, realizou licitação fraudulenta que causaria ao município prejuízo de R$ 7 milhões em verba destinada à Educação

A Justiça Federal acatou pedido liminar feito pelo Ministério Público Federal (MPF) em Campo Formoso (BA) e determinou, no dia 28 de setembro, a suspensão da cessão ilícita de R$ 15,4 milhões, realizada por meio de licitação ilegal, pela prefeitura de Queimadas, a 316km de Salvador. Caso o repasse do crédito tivesse acontecido, traria R$ 7 milhões de prejuízo aos cofres públicos.

A União deve ao município de Queimadas R$ 15,4 milhões em virtude de diferenças do repasse de verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), com pagamento previsto para 2017. Como o dinheiro só seria recebido após o mandato do atual prefeito, Tarcísio de Oliveira Pedreira, este realizou, em fevereiro deste ano, licitação para alienação dos créditos.

Com a efetivação do contrato, o prefeito teria acesso ao valor licitado ainda em 2016, mas o município teria um prejuízo de R$ 7 milhões, que seriam embolsados pela empresa vencedora da licitação, Motiva Máquinas, como compensação pela antecipação dos recursos, em deságio de quase 50%.

Ao acatar o pedido, a Justiça considerou que não houve, no processo licitatório, justificativa para a alienação do crédito, que ocorreria em desacordo “com o dever legal e constitucional do administrador municipal de aplicação das verbas públicas na educação”, quando contraposto ao prejuízo acarretado para o município.

Número para consulta processual na Justiça Federal: 0002790-18.2016.4.01.3302 – Subseção Judiciária de Campo Formoso

Mais de 1,5 tonelada de carne transportada irregularmente é apreendida na Bahia Veículo com o produto foi flagrado na BR-324, na RMS (região metropolitana de Salvador)

Share Button
Carro estava carregado com 1.570 kg de carne de origem bovinaDivulgação / PRF

Na manhã desta quarta-feira (26), mais de 1,5 tonelada de carne transportada de forma irregular foi apreendidas pela PRF (Polícia Rodoviária Federal). O flagrante ocorreu por volta de 10h30, no km 604 da BR 324, trecho do município de Simões Filho, na RMS (região metropolitana de Salvador).

Os policiais informaram que verificaram o compartimento de carga do veículo e descobriram que estava carregado com 1.570 kg de carne bovina. Após a fiscalização, foi constatado que as condições de acondicionamento e transporte do produto não estavam adequadas.

Profissionais da ADAB (Agência de Defesa Agropecuária da Bahia) foram até o local, onde confirmaram que a carne estava sendo transportada em desacordo com a legislação.

O material apreendido foi encaminhado à ADAB, que tomará todas as medidas necessárias para o caso.

POLÍTICO DESAPARECE DE POÇÕES ATÉ HOJE A JUSTIÇA NÃO ACHOU O MESMO PARA ENTREGAR INTIMAÇÃO SE ELE NÃO APARECER NÃO TEM PROBLEMA AJUDAREMOS A ENCONTRA ELE DEVE TA PERDIDO POR ÁI

Share Button

Resultado de imagem para ESTAMOS DE OLHO

Monsenhor Carvalho é nomeado bispo da diocese de Caetité

Share Button

Resultado de imagem para MONSENHOR CARVALHO POÇOES       [FOTOLIBERDADE FM] O Papa Francisco nomeou nesta quarta-feira, dia 26 de outubro, o novo Bispo Diocesano da Diocese de Caetité, Monsenhor José Roberto Silva Carvalho, membro do Presbitério da Arquidiocese de Vitória da Conquista. A publicação foi feita em Roma, ao meio-dia (hora local), e comunicada, nesta manhã, pelo Arcebispo de Vitória da Conquista Dom Luís Pepeu, após a celebração de uma Missa, na igreja Matriz de Poções, em sufrágio da mamãe do Monsenhor Carvalho, falecida recentemente. Concelebraram a Eucaristia com Dom Pepeu, o Monsenhor Carvalho – Bispo eleito, Dom Zanoni – Arcebispo de Feira de Santana, Dom João Cardoso – Bispo de Bom Jesus da Lapa, Dom Estevam – Bispo Auxiliar de São Salvador da Bahia, e alguns Padres do Vicariato São Marcos.

 

BIOGRAFIA

 

Monsenhor Carvalho nasceu no dia 31 de março de 1960 em Fortaleza – Ceará. Filho de Joaquim Torres Carvalho e Maria Odélia Silva Carvalho, ambos falecidos (1980 e 2016). É o segundo dentre os 4 filhos do casal. Seus primeiros estudos ocorreram em Fortaleza. O Curso Primário, entre os anos 1996 e 1970, no Grupo Escolar Joaquim Nogueira; e o Curso Ginasial, em 1968 e 1969 na Escola de 1º Grau Gilffane. Já o Curso Secundário, entre 1975 e 1977, realizou-se no Colégio Olindense Dom Vital em Olinda – Pernambuco, onde viveu uma experiência religiosa com os Franciscanos da Província Franciscana de Santo Antonio do Nordeste do Brasil entre os anos 1979 e 1984. Frequentou o Curso de Filosofia, no Instituto de Filosofia Nossa Senhora das Vitórias em Vitória da Conquista – Bahia, e a Teologia no Instituto Teológico Sagrado Coração de Jesus, em Taubaté – São Paulo, de 1987 a 1989. Em Salvador, obteve a Licenciatura em Filosofia, e em Roma, participou de Curso para Formadores. Ainda em Salvador em outros lugares do país participou de diversos Cursos e Encontros de Pastoral Vocacional e Formação para os Seminários Maiores. Foi ordenado Diácono no dia 14 de janeiro de 1995 e Presbítero aos 9 de julho de 1995, em Vitória da Conquista, por Dom Celso José Pinto da Silva. Monsenhor Carvalho, dentre outros ofícios, durante os anos 1995 a 2009, exerceu a função de Reitor do Propedêutico e do Seminário Maior de Filosofia Nossa Senhora das Vitórias em Vitória da Conquista; de 1995 a 2007 foi Coordenador da Pastoral Vocacional; e de 1995 a 1998 foi Administrador Paroquial da Paróquia São Paulo Apóstolo em Caatiba. De 1996 a 2009, Capelão do Colégio Nossa Senhora de Fátima (Sacramentinas) em Vitória da Conquista. Também exerceu a missão de Administrador Paroquial das Paróquias: São Sebastião em Belo Campo (1996 a 1997), Senhor do Bonfim em Barra do Choça (1999 a 2001), e Nossa Senhora Rainha da Paz e São Vicente de Paulo em Vitória da Conquista (2002 a 2003). Entre os anos 2002 a 2008 foi membro do Conselho Econômico Arquidiocesano; de 2004 a 2008, Administrador Paroquial da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes em Encruzilhada; de 2006 a 2007, membro do Conselho Presbiteral; de 2006 a 2008, Vigário Regional do Vicariato São Mateus; em 2010 foi Pároco da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro em Iguaí. No dia 1º de novembro de 2011, recebeu o título de “Capelão de Sua Santidade”, (título de Monsenhor) por solicitação do Arcebispo de Vitória da Conquista Dom Luís Pepeu. Atualmente é Pároco da Paróquia Divino Espírito Santo em Poções, Bahia; Vigário Regional do Vicariato São Marcos; membro do Conselho Presbiteral e do Colégio dos Consultores; Capelão das Irmãs Medianeiras da Paz desde 1997; Juiz Auditor da Câmara Eclesiástica de Vitória da Conquista desde 2005; Diretor Espiritual Arquidiocesano do Apostolado da Oração, e das Aspirantes das Irmãs dos Pobres de Santa Catarina de Sena. Também contribui na formação das Aspirantes das Irmãs Medianeiras da Paz.