Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Suspeito de estuprar menina de 6 anos é preso em Candeias Criança foi encontrada sangrando e levada ao hospital da cidade

Share Button
Gutemberg diz que não cometeu o crimeReprodução/ Record TV Itapoan

Uma criança de apenas seis anos foi encontrada com sangramento após ter sido vítima de estupro na cidade de Candeias, na região metropolitana de Salvador. Antes de ser levada ao hospital Ouro Negro, na mesma cidade, a menina contou a sua cuidadora que foi violentada pelo namorado da mulher. O crime ocorreu na segunda-feira (2).

A criança teria dito a Luana Santos Gomes, de 24 anos, que foi estuprada por Gutemberg de Jesus Santos, de 19 anos. Luana e Guttemberg mantinham um relacionamento e a criança estava sob os cuidados da mulher após as mães das duas terem viajado juntas.

O casal e a menina foram passar os festejos de fim de ano na casa da mãe do suspeito em Lauro de Freitas, também na RMS. O delegado da 23ª DT, que iniciou as investigações, disse que Luana primeiro teria afirmado que o suspeito de estupro seria o padrasto de Gutemberg, Deusdete da Conceição Tavares, na tentativa de inocentar o namorado.

Na delegacia, Deusdete alegou que não estava na casa no momento do crime. Luana também disse que não estava no local e teria saído por menos de uma hora. Ao voltar, encontrou a menina machucada. A criança disse que caiu, mas, ao ficar a sós com a mulher, teria contado o crime cometido por Gutemberg.

O delegado informou que os exames provam que o suspeito teve contato com a menina e que ele teria mandado a namorada ao mercado para abusar da criança. Por sua vez, Gutemberg alega que estava em companhia de irmãos e vizinhos, que poderiam comprovar que ele não ficou a sós com a menina. Um irmão foi ouvido pelo delegado e, segundo o policial, confirmou que Gutemberg seria o autor do crime.

Guttemberg já tem passagem pela polícia pelo crime de estupro. Na época, o suspeito tinha 13 anos e não ficou detido. A namorada disse não ter conhecimento sobre esse outro crime.