Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Daily Archives: 06/01/2017

Homem que incendiou casa e matou quatro filhos e neto é preso na Bahia Prisão ocorreu na manhã desta sexta-feira (6), em Feira de Santana. Acusado foi encontrado em um ponto de ônibus do município.

Share Button
Gilson Jesus Moura, de 49 anos, foi preso na manhã desta sexta-feira (Foto: Divulgação / PM)Gilson Jesus Moura, de 49 anos, foi preso na manhã desta sexta-feira (Foto: Divulgação / PM)

O homem suspeito de incendiar a própria casa e matar quatro filhos e o neto no município de Feira de Santana, a cerca de 100 quilômetros de Salvador, preso na manhã desta sexta-feira (6).

Em entrevista ao G1, o delegado João Uzzum, titular da 1ª Coordenadoria de Polícia do Interior (Coorpin/Feira de Santana), afirmou que Gilson Jesus Moura, de 49 anos, foi localizado por volta das 7h, em um ponto de ônibus do próprio município, em uma região conhecida como Largo do Marajó. “Certamente com interrese de fugir”, relata.

O delegado afirma que a operação que levou a polícia até Gilson começou por volta das 4h, quando o carro do suspeito foi localizado na casa do irmão. O veículo foi encontrado pela Polícia Militar, que a partir da residência encontrou pistas que levaram até o homem.

Gilson era procurado pela polícia por ter incendiado a própria casa. No incêndio, morreram Thais de Jesus Moura, 13, Carlos de Jesus Moura, 9, e Xayane de Jesus Moura, 8, filhos de Gilson com Cristina de Jesus Moura. A enteada dele Emile de Jesus Moura, 16, e o filho dela, de 1 ano, também morreram. A adolescente estava grávida de cinco meses.

Polícia expediu mandado de prisão contra suspeito de incendiar imóvel em na Bahia (Foto: Divulgação / Polícia Civil)Polícia expediu mandado de prisão contra suspeito
(Foto: Divulgação / Polícia Civil)

Drama
Um dia depois da tragédia, que ocorreu na quarta-feira (4), vizinhos que ajudaram a socorrer as vítimas de dentro da casa incendiada lembram o desespero da mãe, e de uma criança de três anos. Elas foram as únicas sobreviventes do crime, que de acordo com a polícia, foi cometido pelo pai de quatro das cinco vítimas.

“A criança falava ‘socorro tia, não me deixa morrer, cadê a minhã mãe?’. E a mãe dizia: ‘salve meus filhos, por favor, salve meus filhos'”, conta Edilene de Jesus, uma vizinhas da família e que ajudou no socorro às vítimas.

Cristina de Jesus Moura, de 37 anos, sobrevivente do incêndio em que perdeu quatro filhos, e um neto, prestou depoimento à polícia no hospital e confirmou que o marido, Gilson Jesus Moura, de 49 anos, foi o responsável por colocar fogo na casa onde a família dormia. A polícia confirmou ainda que os dois viviam uma relação incestuosa, já que eram irmãos por parte de mãe.

Galão utilizado pelo suspeito para incendiar casa onde família dormia (Foto: Divulgação / Polícia Civil)Galão utilizado pelo suspeito para incendiar casa
(Foto: Divulgação / Polícia Civil)

“Ela confirmou que realmente foi ele que tocou fogo em toda família. Ela foi acordada e ele estava com um galão de gasolina, jogando sobre o corpo dela, e falando que iria tocar fogo em toda a família”, conta o delegado Gustavo Coutinho, responsável pela investigação.

Uma testemunha informou para polícia que o Gilson havia se desentendido com Cristina, por ciúme, durante a festa de réveillon. Além da mulher de 37 anos, uma criança de três anos também foi resgatada com vida do local. De acordo com a polícia, as duas vítimas seguem internadas em estado grave. O galão utilizado no crime foi apreendido e encaminhado para perícia no Departamento de Polícia Téncica (DPT).

A polícia ouviu vizinhos do casal, que vivia junto há 15 anos. As testemunhas relataram que eles não costumavam brigar, e que o suspeito era um pai carinhoso. “Ele era uma pessoa muito boa para todos nós, inclusive para família e para ela. Ele falava sempre que amava ela”, conta Roberto Santana, vizinhos da família

Grupo cerca delegacia e vira carro de advogado de suspeito de homicídio Caso ocorreu nesta quinta-feira (5) no município de Nova Viçosa, na BA. Segundo PM, suspeito foi liberado após prestar depoimento com advogado.

Share Button
Grupo cerca delegacia durante apresentação de suspeito em Nova Viçosa (Foto: Arquivo pessoal)Grupo cerca delegacia durante apresentação de suspeito em Nova Viçosa (Foto: Arquivo pessoal)

Um grupo de moradores cercou a delegacia da cidade de Nova Viçosa, no extremo sul da Bahia, na tarde desta quinta-feira (5), após saber que um homem suspeito de matar a facadas um jovem de 24 anos durante uma briga teria se apresentado à polícia.

Grupo cerca delegacia durante apresentação de suspeito em Nova Viçosa (Foto: Arquivo pessoal)Grupo cerca delegacia durante apresentação de
suspeito em Nova Viçosa (Foto: Arquivo pessoal)

O suspeito compareceu até a unidade policial acompanhado de um advogado, que teve o carro destruído pelos manifestantes revoltados com o crime. O veículo, que estava estacionado em frente à delegacia, foi tombado pelos populares, segundo informou a Polícia Militar.

O homicídio ocorreu no último domingo (1º). A vítima foi Allan Paranaguá de Sá. Segundo a polícia, ele tentou separar uma briga entre um amigo e um rapaz identificado como Jackson. A confusão ocorreu na Praia do Lugar Comum, em Nova Viçosa.

Não se sabe o que motivou a briga. Após a confusão, segundo testemunhas, Jackson teria ameaçado Allan de morte e saído do local. Depois, no entanto, o suspeito retornou e atacou Allan com uma faca.

Grupo cerca delegacia durante apresentação de suspeito em Nova Viçosa (Foto: Arquivo pessoal)Grupo cerca delegacia durante apresentação de
suspeito em Nova Viçosa (Foto: Arquivo pessoal)

Após ser ouvido nesta quinta, o suspeito foi liberado, mas precisou de escolta policial para deixar a delegacia. Incorformados com a liberação do suspeito, moradores apedrejaram uma viatura e a porta da unidade policial.

O G1 não conseguiu contato com o delegado responsável pela investigação do caso, na noite desta quinta, para saber o que disse o suspeito no depoimento e porque ele foi liberado.

Mesmo após o suspeito ter deixado o local, no final da tarde, os moradores continuaram a protestar em frente à delegacia, segundo informou um funcionário da unidade. O grupo de manifestantes permanecia no local até por volta das 21h30 e ameaçava colocar fogo na delegacia.

Conforme a polícia, Allan trabalhava como vendedor em uma loja de calçados da cidade e, segundo os moradores, era um rapaz tranquilo. Por conta da manifestação, o policiamento na delegacia teve de ser reforçado, segundo a PM.

Nenhum dos populares envolvidos na depredação carro do adovgado do suspeito e da delegacia foi preso porque, segundo a polícia, ainda não foi possivel identificar os responsaveis.

Policiamento foi reforçado no local por causa da revolta dos moradores (Foto: Arquivo pessoal)Policiamento foi reforçado no local por causa da revolta dos moradores (Foto: Arquivo pessoal)
Grupo cerca delegacia durante apresentação de suspeito em Nova Viçosa (Foto: Arquivo pessoal)Grupo cerca delegacia durante apresentação de suspeito em Nova Viçosa (Foto: Arquivo pessoal)