Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Jornalismo levado a sério!

Erica

Açougues Angélica

João Guilherme Materiais Para Construção

NOTA DE RETRATAÇÃO O POÇÕES24HS E UM SITE COM RESPONSABILIDADE VAN NASCIMENTO FEZ UMA MATÉRIA USANDO A FOTO DE MILENA ROCHA SEM AUTORIZAÇÃO DA MESMA E COLOCOU EM SEU BLOG

Share Button

Resultado de imagem para RETRATACAOFOMOS PROCURADOS POR PROFESSORES E PESSOAS QUE SE SENTIRAM OFENDIDAS NO BLOG DO IRRESPONSÁVEL VAN NASCIMENTO QUE PEGOU A FOTO DE UMA MOÇA SEM AUTORIZAÇÃO COLOCOU UMA MATÉRIA NÃO SEI DA ONDE TIROU FAZENDO POLEMICA E COLOCANDO A IMAGEM DESSA MOÇA EM POLEMICA MILENA ENTROU EM CONTATO CONOSCO NÃO SABIA NADA DISSO [O POÇOES24HS RESPONDEU A MATÉRIA POSTADA POR ELE] QUE É UM IRRESPONSÁVEL DE FAZER UMA COISA DESSA SABER QUE É UMA PESSOA SEM CREDIBILIDADE NENHUMA NÃO É NOVIDADE MAS ESSA PASSOU DOS LIMITE PEDIMOS DESCULPA A MILENA ROCHA E ESPERO QUE ESSE RAPAZ TOME CUIDADO COM OQUE POSTA E SE RETRATE COM ELA PORQUE A FONTE FOI ELE E COLOCOU A IMAGEM DA MOÇA COM IRRESPONSABILIDADE NA MÍDIA CAUSANDO REPERCUSSÃO CONTRA ELA

DTE incinera 180 quilos de drogas em Conquista

Share Button

Mais de meia tonelada de drogas, aprendida em ações da PC, PM e PRF, já foi incinerada nos primeiros três meses de 2017 na cidadeCento e oitenta quilos de drogas foram incinerados, nesta quarta-feira (29), na cidade de Vitória da Conquista. Essa já é a terceira vez, neste ano, que a Justiça autoriza a queima de maconha, crack e cocaína, que são apreendidas na cidade.
Ao todo, mais de meia tonelada de entorpecentes já foi incinerada nos primeiros três meses do ano, segundo o delegado Neuberto Costa, titular da Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes (DTE/Conquista), unidade subordinada ao Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco).
A droga foi incinerada em uma fábrica, situada em local distante de áreas residências, e contou com a presença do titular da DTE/Conquista e de um promotor de Justiça. O material foi apreendido em diversas operações da Polícia Civil, Militar e Rodoviária Federal. Em 2016, foram oito toneladas de drogas queimadas.Mais de meia tonelada de drogas, aprendida em ações da PC, PM e PRF, já foi incinerada nos primeiros três meses de 2017 na cidadeMais de meia tonelada de drogas, aprendida em ações da PC, PM e PRF, já foi incinerada nos primeiros três meses de 2017 na cidade

Ação conjunta prende traficantes que assassinaram ex-comparsa

Share Button

Geovane Araújo Santos, Jacsilene Vieira dos Santos e Breno dos Santos Santana. Uma operação conjunta das polícias Civil e Militar, deflagrada na favela do Cominho, em Ilhéus, na terça-feira (28), para cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão, capturou Breno dos Santos Santana, o Neguinho do Cominho, envolvido na morte do traficante Rogério dos Santos Melo, ocorrida no dia 6 de março de 2017. Ele portava uma pistola 380.
A ordem para a execução partiu de Cosme Câmara Oliveira Filho, o Pilão, e sua mulher Jacsilene Vieira dos Santos, a Jaque, que também foi presa. Líder da quadrilha, Cosme já se encontrava no presídio de Itabuna, onde teve o mandado de prisão cumprido. Um integrante da quadrilha, Geovane Araújo Santos, flagrado com um revólver calibre 38, também foi preso na ação.
A polícia ainda procura por Paulo Sérgio Souza de Araújo, conhecido como Carequinha, também envolvido na morte de Rogério. As investigações apontaram que a vítima foi assassinada porque deixou o bando para ingressar numa quadrilha rival.
Outro traficante identificado como Murilo Ribeiro da Silva, que reagiu e atirou ao perceber a chegada dos policiais, foi baleado e ferido na troca de tiros, não resistindo aos ferimentos. Com ele, foram encontrados um revólver calibre 32 e um tablete de maconha.
Breno e Jacsilene, que tinham mandados de prisão em aberto, foram conduzidos ao sistema prisional. Já Geovane, flagrado com a arma, foi encaminhado à audiência de custódia com o juiz. Ele e Breno já estiveram presos por tráfico de drogas.
Participaram da ação equipes da 7ª e 6ª Coordenadorias Regionais de Polícia do Interior (Coorpins), de Ilhéus e Itabuna, 70ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe/Cacaueira), Rondesp/Sul e Companhia Independente de Polícia de Proteção Ambiental (Cippa)Geovane Araújo Santos, Jacsilene Vieira dos Santos e Breno dos Santos Santana.                                                                                                                                                                          .A ordem para a execução partiu de Cosme Câmara Oliveira Filho, o Pilão, que está no presídio de Itabuna

DHPP apresenta dois envolvidos no latrocínio do PM

Share Button

Fabiano Silva da Paixão e Sílvio Manuel Jesus da Hora Dois homens envolvidos no latrocínio do sargento PM Aldo Carvalho Santos, de 46 anos, ocorrido no dia 17 de janeiro, numa farmácia, na Pituba, foram apresentados à imprensa, na tarde desta quarta-feira (29), no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Fabiano Silva da Paixão e Sílvio Manuel Jesus da Hora foram presos por equipes das 13ª e 41ª Companhias Independentes de Polícia Militar.
A dupla foi flagrada no sábado (25), depois de assaltar uma farmácia na Rua Professor Sabino Silva, no Jardim Apipema, na companhia dos comparsas Vinicius Gomes dos Santos e Gleidson Oliveira Santos, que também estão presos. Eles foram perseguidos pelos policiais até a Rua Conselheiro Pedro Luiz, no Rio Vermelho. Houve troca de tiros e o carro utilizado no assalto foi atingido e bateu num poste. Dois revólveres calibre 38 foram apreendidos.
De acordo com o delegado Odair Carneiro, titular da Delegacia de Homicídios Múltiplos (DHM), à frente da Força Tarefa que investiga crimes contra policiais, Vitor Santos da Silva Pires, que também participou do latrocínio, é procurado. “Com a prisão dele concluímos o inquérito. Temos dois envolvidos presos e o Wilter Chagas Santos morreu em confronto com policiais da Força Tarefa no dia seguinte ao crime”, explica Odair.
MACONHA
Numa operação para capturar Vitor, ocorrida na terça-feira (28), no Nordeste de Amaralina, policiais do DHPP e da Coordenação de Operações Especiais (COE) flagraram, com um quilo de maconha, Robson Tiago Santos de Oliveira, de 32 anos, que também foi apresentado à imprensa. Ele foi autuado por tráfico de drogas e seguiu para o sistema prisional.
Além de ter os mandados cumpridos pelo latrocínio, Fabiano e Sílvio vão responder por roubo e tentativa de homicídio, bem como Vinícius e Gleidson. A coletiva de imprensa foi conduzida pelo delegado Odair Carneiro, titular da DHM, e pelos majores PM Adilson e Helberte, integrantes das 41ª e 13ª CIPMs, respectivamente.Fabiano Silva da Paixão e Sílvio Manuel Jesus da Hora Fabiano Silva da Paixão e Sílvio Manuel Jesus da Hora

Pai e filho presos na BA tentaram sacar R$ 28,8 bi em outros estados Suspeitos disseram à polícia que títulos para saque são legítimos. Informações foram divulgadas nesta quarta-feira (29) pela Polícia Civil.

Share Button
Empresários, pai e filho, de 65 e 40 anos, foram presos em Salvador (Foto: Divulgação/Polícia Civil)Empresários, pai e filho, de 65 e 40 anos, foram presos em Salvador (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

O pai e o filho, de 65 e 40 anos, presos em flagrante em Salvador ao tentar abrir uma conta para receber R$ 28,8 bilhões referentes a Títulos do Tesouro Nacional (TTNs), já tinha tentado, sem sucesso, sacar a quantia em outros estados do país, segundo informou a Polícia Civil nesta quarta-feira (29). Conforme a polícia, os suspeitos resolveram fazer mais uma tentativa, desta vez na Bahia, na expectativa de não serem descobertos.

A dupla de empresários, que é de São Paulo, foi flagrada em uma agência do Banco do Brasil na Avenida Manoel Dias, no bairro da Pituba. O gerente da agência desconfiou da quantia a ser recebida e da autenticidade dos documentos apresentados pelos suspeitos e acionou a polícia.

Conforme a Polícia Civil, os suspeitos, Antônio Rodrigues Neto, de 65 anos, e Antônio Rodrigues Filho, 40, já estão com as prisões preventivas decretadas por estelionato pela Justiça. Eles foram presos por uma equipe do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco). A polícia não informou por quais outros estados a dupla passou e tentou sacar o dinheiro.

Outros dois empresários baianos e de São Paulo também estavam no mesmo local com a dupla, mas a polícia ainda não sabe informar se são vítimas ou se fazem parte do grupo criminoso. Os empresários não tiveram nomes divulgados.

Segundo a polícia, em depoimento à delegada Maria Selma, o gerente do banco disse que Antônio Neto e Antônio Filho foram à agência para abrir uma conta corrente para receber o depósito de R$ 28,8 bilhões referentes às TTNs que tinham em mãos.

Como os documentos de propriedade dos títulos que apresentaram eram incompatíveis tanto em relação aos valores, quanto em relação aos modelos normalmente usados nessas transações, o gerente, então, decidiu denunciá-los. A identidade do gerente não foi divulgada pela polícia.

Os dois suspeitos, segundo a polícia, são proprietários da empresa New Ápice Empreendimentos e Participações Ltda, com sede em Alphavile, em Barueri, estado de São Paulo. Eles disseram à delegada, no entanto, que tudo não passava de um grande mal entendido, pois, segundo eles, as TTNs que tinham em mãos são legítimas.

A delegada informou, no entanto, que pesquisou sobre a New Ápice e descobriu que a empresa atua no ramo de desenvolvimento e licenciamento de programas de computadores não customizáveis, e não em corretagem de valores, o que sugeriria alguém que porta títulos no valor de bilhões.

“Apreendemos vários documentos e, entre eles, há a presença de folhas de contratos de outros bancos e boletos também. Vamos investigar a fundo o que eles pretendiam”, disse a delegada.

A delegada ainda informou que iniciou a coleta de depoimentos dos empresários que acompanhavam a dupla para saber qual era o papel deles. “Não os mantive presos porque não foi constatada nenhuma prova contra eles. Mas, com certeza, serão investigados”, destacou Maria Selma.

Temporal causa alagamentos e desabamentos em Jequié, na BA Forte chuva começou nas primeiras horas desta quarta-feira (29). Diante de ocorrências, prefeitura criou comitê emergencial.

Share Button
Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)Temporal deixou ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)

Uma forte chuva que caiu nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (29), em Jequié, região sudoeste da Bahia, causou alagamentos e desabamentos na cidade. Não há registro de desaparecidos, nem pessoas feridas gravemente.

Várias ruas ficaram alagadas, muros caíram e casas foram invadidas pela água. Segundo informações da prefeitura, já foram iniciados os trabalhos para limpeza das áreas atingidas.

A gestão do município informou, ainda, que criou um comitê emergencial envolvendo as secretarias municipais para atender os moradores e tentar solucionar os problemas causados pela chuva. As pessoas podem ligar, durante todo o dia, para o número 0800 071 1710 para fazer solicitações e informar sobre ocorrências.

De acordo com o Corpo de Bombeiros da Bahia, a forte chuva começou por volta das 4h e causou dois desabamentos, além de uma vítima ter sido resgatada de alagamento.

A forte chuva também atingiu a cidade de Vitória da Conquista, vizinha a Jequié, desde a madrugada desta quarta-feira e casou estragos. Segundo a Defesa Civil do município, nesta noite choveu 63 milímetros, quase o total previsto para todo o mês de março, que é 78 milímetros.

Um muro de um antigo albergue, na Avenida Rosa Cruz, caiu por causa da chuva. Ninguém ficou ferido. No bairro Miro Cairo também houve estragos. A enxurrada abriu valetas pelas ruas e o acesso ficou complicado para motoristas e pedestres.

Apesar do volume de chuva, a Defesa Civil de Vitória da Conqusita afirma que a situação é tranquila na cidade. No entanto, na zona rural, algumas estradas foram interditadas  após o temporal.

Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)
Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)
Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)
Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)
Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)Temporal deixa ruas alagadas em Jequié, região sudoeste da Bahia (Foto: Prefeitura de Jequié/Divulgação)

‘O quinto do ouro’: Força-Tarefa manda prender 5 dos 7 conselheiros do TCE-RJ e leva Picciani para depor à força Força-tarefa desvenda esquemas de conselheiros do TCE-RJ que cobravam propina para ignorar irregularidades em obras e sistema de transportes

Share Button
Aloysio Neves, Marco Antônio Alencar, José Gomes Graciosa, Domingos Brazão, José Maurício Nolasco – Reprodução / Internet

RIO – O Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) é alvo de nova operação da força-tarefa do Ministério Público e da Polícia Federal no Rio. A delação premiada do ex-presidente do órgão Jonas Lopes de Carvalho Filho levou à ação contra cinco conselheiros em pelo menos dois esquemas de arrecadação de propina para fazer vista grossa para irregularidades praticadas por empreiteiras e empresas de ônibus que operam no estado. São alvos de prisão preventiva os conselheiros Aloysio Neves (atual presidente); Domingos Brazão, José Gomes Graciosa, Marco Antônio Alencar e José Maurício Nolasco. Já o presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB), é alvo de condução coercitiva. Ele está sendo levado para depor na Superintendência da PF. Além dos mandados, foram também determinados de bloqueios de bens e valores dos envolvidos.

Carro do Ministério Público Federal (MPF) em frente à casa do presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio – Chico Otavio

A corregedora e também conselheira Marianna Montebello é a única integrante do tribunal que não é alvo da ação.

A operação de hoje tem como principal suporte, além da delação do ex-presidente do TCE Jonas Lopes de Carvalho Filho, a de seu filho, o advogado Jonas Lopes de Carvalho Neto, homologadas recentemente pelo ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Félix Fischer, que autorizou os mandados de prisão e condução coercitiva.

A operação, batizada de “O Quinto do Ouro”, é uma referência ao imposto correspondente a 20% que a Coroa Portuguesa cobrava dos mineradores de Ouro no período do Brasil Colônia.

A força-tarefa do Ministério Público Federal (MPF) e 150 agentes da Polícia Federal cumprem, desde as 6h desta quarta-feira, 43 mandados, a maioria deles na cidade do Rio, em Duque de Caxias e São João do Meriti.

Além das acusações de terem recebido 1% de propina sobre o valor dos contratos de obras para não incomodar as empreiteiras – reveladas pelo GLOBO no âmbito da Operação Calicute – durante o governo de Sérgio Cabral (2007-2014), os conselheiros são investigados também por obterem vantagens indevidas a partir do controle do saldo excedente não utilizado pelos usuários dos bilhetes eletrônicos do RioCard

O presidente da Assembleia Legislativa (Alerj), Jorge Picciani – Marcelo Carnaval

Apontado como o coordenador da caixinha das empreiteiras, Jonas decidiu colaborar com as autoridades após ser levado, sob condução coercitiva, para depor em dezembro do ano passado na Polícia Federal do Rio. A mesma operação, batizada de Descontrole, também conduziu o filho de Jonas e o operador de mercado financeiro Jorge Luiz Mendes Pereira da Silva, o Doda, suspeito de ser o coletor da propina. A delação de Jonas compromete os cinco conselheiros.

Carros descaracterizados em frente à Alerj que seriam da PF – Fabiano Rocha / Agência O Globo

Os pagamentos indevidos oriundos de contratos firmados com o Estado do Rio de Janeiro em contrapartida ao favorecimento na análise de contas/contratos sob fiscalização no TCE-RJ. Além disso, agentes públicos teriam recebido valores indevidos em razão de viabilizar a utilização do fundo especial do TCE/RJ para pagamentos de contratos do ramo alimentício atrasados junto ao Poder Executivo do Estado do Rio de Janeiro, recebendo para tal uma porcentagem agem por contrato faturado.

ESQUEMA COMEÇOU NA GESTÃO CABRAL

A primeira notícia de que o TCE estava envolvido no esquema de pagamento de propina comandado pelo ex-governador Sérgio Cabral foi publicada pelo GLOBO em 22 de junho do ano passado. Clóvis Renato Numa Peixoto Primo, ex-dirigente da Andrade Gutierrez e colaborador da Justiça, revelou ao Ministério Público Federal (MPF) que, além da propina de 5% do valor dos contratos pagos a Cabral, havia também uma caixinha do TCE, no valor de 1% dos contratos, acertada com o então secretário estadual de Governo, Wilson Carlos.

Clóvis Numa era colaborador da operação Radioatividade, que investigava corrupção nas obras da usina nuclear de Angra 3. No primeiro depoimento, ele citou que a caixinha começou na gestão do então presidente José Maurício Nolasco. Depois, em novo depoimento, disse que não tinha certeza de quem presidia o tribunal quando o esquema teve início.

O esquema de corrupção no TCE começou entre 2009 e 2010, segundo a delação de executivos, quando o governo Cabral transformou o Rio em canteiro de obras com vistas à Copa do Mundo (2014) e aos Jogos Olímpicos do ano passado. Além dos 5% para Cabral e 1% para o TCE, delatores da Andrade Gutierrez e, posteriormente, da Carioca Engenharia mencionaram mais 1% para o então secretário estadual de Obras, Hudson Braga, a título de “taxa de oxigênio”. Desde novembro do ano passado, Cabral, Wilson e Hudson estão presos.

A colaboração de outro executivo da Andrade, Alberto Quintaes, e mais as investigações da Operação Calicute, responsável pela prisão dos três, reforçaram as acusações contra os envolvidos no esquema.

Prédio do Tribunal de Contas do Estados do Rio – Divulgação

PICCIANI É CITADO EM DELAÇÃO DA ODEBRECHT

O presidente da Alerj, que fez ontem ao presidente Michel Temer em Brasília um apelo para que use receitas da Lei Kandir para garantia de empréstimo aos estados, foi citado pelo ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura como beneficiário de propina para campanhas eleitorais de seu partido, o PMDB. Conforme O GLOBO revelou em novembro do ano passado, o engenheiro Benedicto Barbosa Júnior, braço-direito do empreiteiro Marcelo Odebrecht, contou em sua delação à força-tarefa da Operação Lava-Jato que o deputado Picciani (PMDB), cobrou da empreiteira apoio financeiro para três campanhas eleitorais consecutivas. O dinheiro, segundo o executivo, foi depositado em contas que o BVA — banco de José Augusto Ferreira dos Santos, já liquidado pelo Banco Central — mantinha no exterior.

O QUINTO DO OURO

O nome da operação é uma referência à figura histórica do “Quinto da Coroa”, um imposto correspondente a 20% que a Coroa Portuguesa cobrava dos mineradores de Ouro no período do Brasil Colônia. Uma das mais conhecidas formas de recolhimento ocorria mediante a obtenção de “certificados de recolhimento” pelas casas de fundição. Apesar do rigor na criação de urna estrutura administrativa e fiscal, visando sobretudo a cobrança dos quintos, o imposto era desviado. Afonso

Sardinha, o moço, em seu documento (1604) declarou que guardava o ouro em pó em vasos de barro. Outro uso comum era o de imagens sacras ocas para esconder o ouro (daí a expressão “santo do pau oco”)

POLÍCIA FEDERAL DEFLAGRA OPERAÇÃO NA REGIÃO DE IRECÊ.

Share Button

Dois helicópteros da Polícia Federal e um da Polícia Civil de Brasília/DF, aterrissaram na manhã desta terça-feira (28), no estádio de futebol da cidade de João Dourado/BA, na região de Irecê.

Além de cinco viaturas da PF, seis viaturas Companhia Independente de Policiamento Especializado/Semiárido – CIPE/SA e duas do Exército Brasileiro estão dando apoio à operação. Vários policiais federais estão em caminhonetes que circulam na região.

Ao Central Notícia, o vereador Flávio Eres, da cidade de João Dourado, disse que o principal foco da operação é o tráfico de drogas, embora outros crimes poderão ser investigados. Ainda de acordo com Eres, a informação foi transmitida por um comandante da polícia.

A PF tem a função de exercer repressão ao tráfico de entorpecentes, contrabando, desvio de recursos públicos, lavagem de dinheiro, prevenir, investigar e reprimir quaisquer outros crimes.

Na região de Irecê, cerca de 100 homens participam desta ação.

CHUVA NA CIDADE DE POÇÕES ESSA NOITE CHOVEU A NOITE TODA E GRAÇAS A DEUS CONTINUA CHUVENDO

Share Button

[FOTO POÇOES24HS]

GREVE GERAL vem aí: Dia 31/03, Veja a data e horário em sua cidade

Share Button